Mendoza – Terra do sol, do vinho e do amor <3

DSC_0463

Mendoza é puro amor e dá certo pra todo tipo de casal: o da gastronomia e do vinho, o da aventura, o romântico, o fresco, tudo. kkk 🙂 Imagina, visitar uma vinícola bem aos pés da Cordilheira dos Andes, passear numa cidadezinha linda curtindo um friozinho, e poder até subir o Aconcágua, o ponto mais alto de todo o hemisfério sul 😮 . Pois é. Assim é Mendoza, a “Tierra del sol y del buen vino”, que eu me apaixonei assim que coloquei os pés por lá.

20150418_122102

ABRIL EM MENDOZA

Abril foi um mês ótimo pra conhecer a região. Era outono na Argentina, então tinha aquela coloração dourada das árvores, dando um charme a mais. Estava bem friozinho, mas nada muito absurdo, o que pra mim foi ótimo, pois não me dou muito bem com baixas temperaturas kkkk. Leia-se: sofro.

Lá fica em uma região desértica e, por isso, quase não chove. Acredito que seja bom em qualquer época do ano – mas vale conferir 😉

Se você quiser curtir alguns esportes radicais, aí é bom se informar qual a melhor época. Por exemplo, esquiar, só no auge do inverno. E queríamos fazer o rafting, mas o rio estava sequinho nessa época e ia ser super sem graça, então priorizamos outros passeios.

mendoza uspallata argentina

QUANTO TEMPO FICAR

Infelizmente, muito infelizmente, ficamos apenas 3 dias inteiros, então não pudemos aproveitar tudo o que queríamos. Mas 3 dias foram suficiente pra fazermos um pouquinho de cada coisa que a cidade oferece, e nos deixar com um gostinho de quero mais. Se você puder, fique pelo menos 5 dias, assim dá tempo de fazer bastante coisa. 🙂

 

COMO CHEGAR

Melhor forma: de avião né gente, mais rápido, porém mais caro. kkkk

Segunda melhor forma: de ônibus, vindo de Santiago – Chile. Dura em média 7 horas e de quebra você vê a paisagem toda que veria se fizesse o passeio de Alta Montaña (é o mesmo percurso, até a fronteira com o Chile). Você pode fazer que nem um casal que conhecemos, que foi durante o dia e comprou os assentos de cima do ônibus, na frente, onde dá pra ter uma vista panorâmica da estrada.

Como fizemos: de ônibus, indo e voltando de Buenos Aires. Viajamos à noite, o que nos poupou uma diária de hotel na ida e na volta, além das refeições, pois o ônibus fornece. Apesar do ônibus ser bem confortável, o atendimento ótimo e oferecer algumas atividades pra espantar o tédio (ganhei o bingo na ida kkkk), é uma viagem MUITO cansativaDura umas 14h, o dobro do que se fosse pelo Chile. Além disso, acho que por conta da alta do dólar e da inflação na Argentina, os preços ficaram um pouco salgados: R$ 600,00 ida e volta pra cada. Depois farei um post só contando da viagem. Minha dica: se puder, vá de avião!

 

O QUE FAZER

Fechamos todos os passeios pela empresa Kahuak. É uma empresa de lá mesmo, negociei tudo por e-mail e deu super certo. 🙂

Vinícolas com degustação de vinhos

Tem vários passeios diferentes, inclusive privados. A região tem milhares de vinícolas, abertas ou não ao público. Fizemos o Mendoza Vino y Oliva, que fica na região de Luján de Cuyo, bem perto de Mendoza. Fora esse, tem diversos outros passeios, por outras regiões. Se tivesse mais tempo, iria às vinícolas da região de Valle de Uco, que fica mais distante e portanto mais caro, mas dizem que a vista é sensacional. O passeio durou o dia inteiro e foi SENSACIONAL. Como são 3 vinícolas, eles combinam o que a gente vai aprender em cada uma, pra não ficar entendiante sabe?

Navarro Correas – primeira vinícola

Essa era a mais sem graça visualmente, mas o legal foi que aprendemos a como degustar o vinho. Aprendemos também técnicas modernas de como o vinho é feito.

navarro correa degustação vinho argentina mendoza

 

Olivícola Pasrai – fábrica de azeite e patês

Foi meio chato ver a explicação sobre como é feito o azeite, mas tivemos uma degustação de pãezinhos com patês e azeites maravilhosos, e super ajudou na fome que já estava chegando. Minha dica: compre alguns dos patês e azeites e leve pra casa. Vale cada centavo!

 

Luigi Bosca – segunda vinícola

A mais linda. A gente foi sem entender nada de vinhos, mas a guia falou que os brasileiros piram nessa vinícola kkkk. Ela é mais tradicional e o ponto alto foi ouvir um pouquinho da história e degustar mais vinhos, lógico! kkkk Minha dica: se quiser comprar vinhos, compre nessa ou na próxima 😉 .

mendoza vinho vinicola bodega argentina

 

AltaVista – terceira e última vinícola

Pra mim, a melhor parte do passeio. Neste, não ouvimos explicação nenhuma, apenas nos reunimos pro piquenique delicioso, regado a mais vinhos. A segunda parte do piquenique é nos jardins, e dá pra passear um pouco pela vinícola, linda.

DSC_0385 DSC_0397 DSC_0413 DSC_0457

 

Alta Montaña

Esse passeio dura o dia inteiro e vai até a fronteira com o Chile, pela Cordilheira dos Andes. É um passeio mais contemplativo, pois ficamos praticamente o tempo todo dentro da van, apenas apreciando a paisagem e parando em alguns pontos. É bem cansativo ficar muito tempo sentado, mas valeu a pena pelas paisagens, que foram diferentes de tudo que já vimos. Passamos por lagos lindos, pelo Aconcágua, por montanhas coloridas, regiões desérticas, foi lindo. Se pudesse, faria diferente e pagaria um motorista particular, assim poderia parar onde quisesse (dá vontade de parar pra tirar fotos toda hora).

Dica: em alguns momentos esse passeio faz MUITO FRIO. Vá bem agasalhado.

DSC_0057DSC_003520150419_16042520150419_151439

City Tour

Ao fechar o passeio de Alta Montaña e das vinícolas, ganhamos o City Tour da cidade. Foi o primeiro que fizemos, daí deu pra conhecer a cidade, avistar uma região cheia de restaurantes e ir até o parque, onde tem um mirante muito bacana. É daqueles ônibus Hop on, Hop off, então dá pra descer e subir de novo onde quiser, durante 24 horas. Em abril ainda era baixa temporada, então ele não estava circulando 24h por dia, começou às 15h e terminou acho que às 18h.

 

Além disso tem mil outras coisas, como cavalgadas (que podem durar dias), escalada do Aconcágua, rafting, parapente, pedalar por trilhas ou por vinícolas, spas, termais, etc.

 

O QUE NÃO GOSTEI

Em Mendoza eu gostei de absolutamente TUDO. Foi simplesmente maravilhoso! Não gostei apenas de termos ido embora tão cedo!

 

TRANSPORTE

A cidade é bem pequena e dá pra andar praticamente toda à pé ou táxi.

Se você for fazer apenas passeios fechados, nem precisa alugar carro, pois eles te buscam e deixam no hotel.

Se quiser alugar carro e explorar por conta própria também dá, mas tem que agendar as vinícolas com antecedência.

Também é possível fechar motoristas particulares pro dia todo, que cuidam de tudo pra você e ainda servem de guias. Não sei bem como funciona, mas acho que uma rápida pesquisa no Google resolva.

Não sei como funciona o transporte público, mas acredito que só funcione melhor dentro da própria cidade (onde não tem muito o que fazer).

 

ONDE FICAR

Ficamos bem no centro da cidade, o que foi ótimo em termos de localização. É um centro de cidade pequena, então pra mim é o melhor lugar, pois fica perto de tudo e não tem os problemas dos demais centros de cidades grandes. 😉

Nosso hotel foi o Abril Hotel Boutique, que não é bem um hotel boutique, mas é ótimo e um bom custo-benefício. É novo e o atendimento excelente, os carinhas de lá eram muito solícitos, super recomendo.

Reservei tudo pelo Booking e deu tudo certo. O valor da diária foi R$ 193,66, mas é cobrado em dólar, então varia muito.

 

Durante minhas pesquisas, achei um hotel que gostaria MUITO de passar ao menos 1 diária. Quem sabe no futuro né? É o Entre Cielos. E quero ficar NESSE quarto.

2741841-866621_0_167_1600_900_1600_900.rc
Foto: Tripadvisor

 

PREÇOS

Por incrível que pareça, comer é mais barato em Mendoza, assim como locomoção dentro da cidade (já que é pequena). Então o que você economiza com isso, acaba gastando com os passeios, que são inúmeros. Pra mim, uma ótima troca.

 

RESUMINDO

Apenas vá! 😉

 

<3

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *